Posts Tagged 'kubuntu'

Review: Amarok 2.2

No meu review sobre o novo Kubuntu 9.10, comentei sobre as novidades do Amarok, que são tantas que com certeza merecem um post exclusivo para apresentar a nova versão do player.

O Amarok sempre foi uma das pedras preciosas do KDE e do GNU/Linux. Nenhum outro player consegue igualar o Amarok na hora de organizar e reproduzir áudio. Porém, desde que passou para a nova versão 2.x, o player passou a apresentar uma série de bugs irritantes, especialmente ao indexar a coleção, que é justamente o ponto principal do player. Felizmente, a versão 2.2 representa o fim desses problemas. A coleção é indexada tão bem quanto antes e o player voltou a ser estável como uma rocha.

amarok 2.2

O novo Amarok finalmente ultrapassou as funcionalidades da versão 1.4. A 2.2 acrescentou duas capacidades incríveis ao melhor player do mundo: o Amarok mostra automaticamente videoclipes do Youtube da mesma banda que você está escutando, sendo possível reproduzi-los direto no Amarok e mostra um slideshow da banda com fotos do Flickr.

youtube no amarok

O miniaplicativo da Wikipédia voltou a ser como no Amarok 1.4, permitindo navegar na Wikipédia dentro do próprio player e selecionar se você deseja ver a página do artista, do álbum ou da música.

wikipedia no amarok 2.2

O gerenciador de capas está mais eficiente. Ao invés da Amazon, ele agora busca as capas dos álbuns no Last.FM, o que melhorou muito a taxa de acerto. A integração com o Last.FM está muito boa, com botões para adicionar a faixa diretamente aos favoritos.

As listas dinâmicas continuam por ali, permitindo deixar o Amarok selecionar faixas de acordo com as regras que você definir. É bem fácil definir um artista e mandar o Amarok tocar tudo que for parecido :D. Voltou a ser possível definir um banco de dados MySQL externo para o Amarok, o que costuma ser útil para pessoas com coleções realmente grandes, que fiquem lentas no banco SQLite do Amarok.

A interface é mais personalizável, apresentando o comportamento padrão do programas do KDE 4.  Basta clicar com o botão direito na barra superior e desmarcar a opção “Travar Layout” para poder arrastas  vontade as barras e painéis. É possível inclusive deixar ele com o visual do Amarok antigo, apesar do novo layout ser bem mais prático.

A playlist pode ser organizada em diversos subníveis, basta clicar no último ícone abaixo da playlist. Também é possível fazer isso clicando na parte de cima da lista. É possível ligar ou desligar o agrupamento, exibir controles de reprodução na faixa tocada, alterar a forma de agrupamento, etc.

amarok - editor de layout da playlist

A única coisa que falta é o gerenciador de fila do 1.4, que permitia reorganizar a fila de reprodução. A função de fila atual se resume à incluir/excluir faixas da fila.

Finalizando, o novo Amarok está sensacional: estável, cheio de novas funções e belíssimo. O Amarok 1.4 pode finalmente descansar e dar lugar ao seu sucessor, que é um player realmente superior. Vale conferir.

Review: Ubuntu 9.10 e Kubuntu 9.10 (Karmic Koala)

Eu uso o Ubuntu desde a versão 8.04, sendo que essa ainda é a mesma instalação. Eu atualizei o sistema do 8.04 para o 8.10, do 8.10 para o 9.04 e do 9.04 para o Karmic. Vou postar agora minhas impressões da nova distro.

Atualização

O processo foi tranquilo, apesar de ter demorado. Eu tenho muitos programas, uma pancada de jogos e o update foi 5GB 😀 (culpa de Nexuiz, Sauerbraten e companhia). Após o update, ocorreu algo no mínimo curioso: foi instalada a interface do Ubuntu Netbook Remix! Tudo bem que meu note tem tela de 12′, mas chamar de netbook é sacanagem. Nada que remover o pacote ubuntu-netbook-remix-desktop não resolvesse.

O novo Ubuntu

A primeira impressão veio no boot: a nova tela de splash é muito bonita, e a tela de carregamento do X também é de muito bom gosto, assim como o tema do GDM. A má notícia é que na nova versão parece que não dá para trocar o tema do GDM.

O tema Human foi redesenhado, sendo mais marrom e menos laranja :D. O novo tema de ícones é muito mais bonito que o anterior, ponto para a Canonical.

O que chamou atenção é que o sistema está bem mais rápido. O Nautilus abre mais rápido, os programas abrem mais rápidos, o desempenho realmente é melhor e o sistema responde muito bem. A maior melhoria foi no OpenOffice, agora na versão 3.1. O carregamento do OO.org está muito mais rápido mesmo e a nova versão ainda é bem mais compatível com os arquivos do MS Office 2007 (todos os documentos do Word e Powerpoint 2007 que abri vieram perfeitos ou com, no máximo, algumas coisinha fora do lugar, mas tudo legível).

O mixer foi alterado, usando agora o mixer do Pulseaudio. A vantagem é que o novo mixer é bem simples, sem todos aqueles canais. Uma das minha eternas críticas sempre foi a complexidade dos mixers dos sistemas operacionais, mas esse é bem simples: entrada e saída. Precisa de mais?

Central de Programas do Ubuntu

Uma das maiores novidades. O “Adicionar/ Remover” foi substituído pela nova central de programas. A separação em categorias é bem mais clara. Ao navegar pelos programas, os softwares já  instalados são marcados com um sinalzinho verde (achei que poderia ser algo mais visível). Ao clicar em um programa, ele abre uma tela com informações, um link para o site do desenvolvedor e um screenshot (finalmente!). Ao instalar ou remover um software, ainda é possível navegar e realizar outras operações de adição/remoção de programas, sendo que ele gerencia a fila de tudo.

Ubuntu One

O Karmic inclui o Ubuntu One, o serviço de computação em nuvem da Canonical. Com ele, você tem 2GB de espaço gratuitos (50GB pagos) para utilizar. Ainda é possível sincronizar as notas do Tomboy, favoritos do Firefox e contatos do Evolution. O One cria uma pasta “Ubuntu One” na sua home e tudo que você mover para lá será enviado para o One e tudo que você colocar lá pela interface web também aparecerá no seu PC.

A interface web é simples, mas permite ver, adicionar e editar contatos e notas. Um serviço realmente útil.

O novo Kubuntu

Eu também possuo o KDE em minha máquina, então farei um review do Kubuntu também. A principal mudança é a atualização do KDE da versão 4.2 para a 4.3. A única coisa a dizer é que o novo KDE 4 está sensacional, absolutamente espetacular. O tema é o mais bonito que já vi em qualquer SO. O Kwin está bem mais leve e seus efeitos 3D já estão tão leves quanto os do Compiz (e o Kwin não tem os bugs do Compiz para jogos em tela cheia). O KDE está muito mais rápido e o Kubuntu inclui um novo Network Manager (bem melhor que o anterior).

O Dolphin agora pode reproduzir arquivos de áudio e vídeo diretamente (!) e o K3B já está em QT4. O Amarok passou por várias melhorias e, finalmente, passou o nível do 1.4 (é, está melhor que ele). O player agora reproduz clipes do Youtube e mostra slideshows do Flickr. As alterações foram tanta que não vou nem tentar explicar agora e vou deixar o assunto Amarok 2.2 para o próximo post.

O KDE 4 chegou lá. Já dá para esquecer o saudoso KDE 3.5, pois o 4 já iguala seus recursos, adiciona coisas novas e possui um visual inigualável.

Com isso, termino o review do Karmic. Para quem ainda não está testando, vale a pena. O Ubuntu está cada vez melhor e a Canonical aprimora cada vez mais sua distro. Vale conferir.

DVD Styler

O DVD Styler é um programa que permite criar DVDs profissionais bem aí, no seu GNU/Linux. Ele é bem fácil de usar, basta arrastar os vídeo para a tela do programa que eles já são adicionados com uma miniatura no menu. É possível adicionar submenus, que podem ter imagens de fundo, vídeos, animações e cores pré-definidas. O software conta com diversos botões e planos de fundo pré-definidos, que podem ser adicionados na base do arrastar e soltar mesmo.

Os botões podem ser programados com os scripts padrão dos DVDs, permitindo que você troque a faixa de áudio, altere a legenda ou troque de menu. O programa está nos repositórios das distros.

Quake Live disponível para Linux

Saiu hoje: a ID software confirmou o lançamento das versões Linux e Mac da versão online do seu famoso game de tiro. Para jogar, será necessário instalar um plugin no browser (disponível para IE7+, Safari e Firefox 2+). Eu testei o game no Firefox 3.5 (Ubuntu, Shiretoko) e funcionou perfeitamente. Após se cadastrar e baixar a extensão de 1.4MB, o browser irá baixar os dados do game (vai levar algum tempo) e salvar em uma pasta oculta .quakelive na sua home. Aí é só partir pro jogo :). Será necessário ter banda larga para essa festa toda, mas o desempenho geral é muito bom, principalmente após os upgrades que permitiram a retirada das filas de espera imensas que incomodavam profundamente os usuários.

Confiram no site do Quake Live.

Tutorial: Otimizando o Firefox 3

Quando você tem um histórico muito grande ou muitos favoritos, o navegador fica lento ao gerenciar favoritos ou histórico e, principalmente, a Barra Sensacional fica lenta para mostrar suas sugestões, o que torna desagradável digitar qualquer coisa ali. O que precisa ser feito é otimizar o banco de dados do navegador, o que pode ser feito da seguinte forma:

Obs.: feche o Firefox primeiro!

$ cd ~/mozilla/firefox/seu_perfil
$ for i in *.sqlite; do sqlite3 $i vacuum; done

Isso vai otimizar o banco de dados do navegador, que vai ficar bem mais rápido para buscar entradas na barra.

Baseado nisso, eu fiz um script shell para realizar essa operação. Ele verifica se o sqlite3 está instalado e, principalmente, se o Firefox ainda está em execução. Se alguém tiver uma idéia melhor para o script, é só me avisar:

—————————————————————————————

#OTIMIZA-FIREFOX

#!/bin/sh

if [ `whereis sqlite3 | grep -c /` -lt 1 ]
then
echo ‘O programa sqlite3 é necessário para esse script. Instale com:’;
echo ‘\tsudo apt-get install sqlite3’;
exit 2;
fi

if [ `ps aux | grep -c /usr/lib/firefox` -gt 1 ]
then
echo ‘Feche o navegador antes de prosseguir’;
exit 1;
else
echo ‘Realizando otimizações no banco de dados do navegador…’;
echo ‘Essa operação pode levar algum tempo…’;

ANTES=`du -s ~/.mozilla/ | grep -o [0-9] | tr -d ‘[:space:]’`;

for i in ~/.mozilla/firefox*/*/*.sqlite; do
sqlite3 $i vacuum;
done;

DEPOIS=`du -s ~/.mozilla/ | grep -o [0-9] | tr -d ‘[:space:]’`;

echo ‘Otimização executada com sucesso’;

echo “Foram economizados `expr $ANTES – $DEPOIS` bytes de espaço em disco”;
exit 0;
fi

—————————————————————————————

Eu salvei na pasta /usr/bin, com o nome “otimizar-firefox”, de forma que basta rodar esse comando quando eu quiser otimizar tudo.

Ubuntu 9.04 não verifica atualizações?

Todos sabem que o novo sistema de notificação de atualizações é bem polêmico. Ao invés de mostrar um ícone na barra de tarefas, ele exibe a janela de atualizações, o que pode ser irritante. Outra mudança é que ele só irá notificá-lo diariamente de atualizações de segurança, avisando de updates menores apenas uma vez por semana.

Mas esse não é o objetivo desse artigo. A idéia aqui é resolver um problema que algumas pessoas (como eu :)) vem tendo. O sistema não verifica atualizações nunca! Ao abrir o Gerenciador de Atualizações você pode ver que nada foi atualizado a vários dias. Isso é fácil de resolver. O que acontece é que o script que faz a verificação da cache do apt-get está sem permissão de execução. Para resolver, basta adicionar essa permissão para ele:

$ sudo chmod +x /etc/cron.daily/apt

As permissões irão passar de 644 para 755, que é o correto. Esse problema ocorreu com quem fez a atualização automática do 8.10 para o 9.04 e já possuir uma entrada no Launchpad. Com isso já estará OK. Se você quiser testar, apague o arquivo /var/spool/anacron/cron.daily:

$ sudo rm /var/spool/anacron/cron.daily

E reinicie. Esse arquivo diz ao cron (agendador de tarefas) quais ações já foram feitas hoje. Ao apagar o arquivo e reiniciar, ele irá achar que ainda não fez nada e realizará as ações novamente. Isso não é necessário para o tutorial funcionar, já que ele iria verificar novamente no dia seguinte de qualquer maneira. Esse procedimento é só para testar se tudo está funcionando.

Espero que tenha ajudado, até a próxima.

screenshot1

Storage Device Manager

O PySDM (Storage Device Manager) é um gerenciador de pontos de montagem, permitindo alterar a forma como os dispositivos são montados no sistema. Ele permite definir graficamente o nome da partição, ponto de montagem e opções, como montagem pelo usuário, acesso, etc. Ele realiza as alterações no fstab sozinho. É, isso mesmo, edite o fstab pelo modo grafico! Se você quiser, ao invés de alterar o fstab, é possível criar regras dinâmicas para o udev. Tudo isso é feito por meio de assistentes simplificados. Um bom programa que ainda permite aprender sobre as opções mexendo com uma interface fácil.

Procure pelo pacote pysdm no gerenciador de pacotes de sua distro, não irá se arrepender.