Posts Tagged 'cloud computing'

Ubuntu One

Opa, estou de volta e dessa vez vou fazer um review das funcionalidades do Ubuntu One, o serviço de computação em nuvem da Canonical para o Ubuntu. Nesse post, vou me concentrar na versão free do serviço, mas também vou comentar sobre as diferenças para a versão paga.

Ubuntu One

Com cerca de 1 ano de existência, o Ubuntu One atingiu recentemente a marca de 1 milhão de usuários. Em comemoração a esse marco, o armazenamento disponível na versão gratuita do serviço aumentou de 2 GB para 5 GB. Já a versão paga, permite aumentar esse espaço comprando “blocos” de 20 GB adicionais que saem por US$ 2,99 ao mês ou US$ 29,99 com o desconto do plano anual. A versão paga oferece também recursos extras para uso com celulares, assunto que vou falar logo abaixo.

Primeiro, vamos aprender a ativar o serviço no seu Ubuntu. Para isso, clique no ícone do envelope na barra superior e selecione a opção Ubuntu One para abrir o painel de controle do Ubuntu One. No botão “Entre Agora”, você pode criar a sua conta e um ID da Canonical que pode ser usado em todos os seus serviços.

Painel de Controle do Ubuntu One

Feito isso, o painel do One vai mudar, passando a apresentar as opções do serviço e a mostra o espaço utilizado no momento. Na aba “Conta”, você pode configurar o seu plano do One, comprar mais armazenamento e adicionar serviços. Em “Pastas Na Nuvem”, você pode adicionar e remover pastas no serviço. Em “Dispositivos”, você gerencia quais computadores e celulares estão conectados ao serviço. E, por último, “Serviços” permite escolher o que será sincronizado. As opções são: arquivos, contatos e notas do Tomboy.

Painel de Controle do Ubuntu One

Você vai perceber que o seu diretório pessoal ganhou uma nova pasta, com o nome “Ubuntu One”. Essa pasta é sincronizada com a nuvem e qualquer arquivo que seja jogado lá dentro vai ser enviado para a nuvem. Também é possível enviar para o One outras pastas, bastando clicar nelas com o botão direito, navegar até o menu “Ubuntu One” e selecionar “Sincronizar”. Eu, por exemplo, sincronizo diversas pastas do meu computador, para ter acesso a arquivos da faculdade e trabalho tanto em meu notebook quanto em meu desktop e no smartphone.

Adicionando uma pasta ao Ubuntu One

Uma dúvida recorrente é sobre o compartilhamento de arquivos. É possível compartilhar pastas diretamente com outros usuários do One. Mas normalmente precisamos compartilhar arquivos com pessoas que não tem e nem querem ter o trabalho de fazer uma conta por lá :D. Nesse caso, o Ubuntu One permite criar uma link público para acessar o arquivo. Aí é só enviar o link para a pessoa e tudo resolvido. Isso também é feito através do menu de contexto (lembrando que o arquivo tem que estar em uma pasta sincronizada com o serviço):

Publicar arquivos no Ubuntu One

Assim que o arquivo estiver publicado, o One irá mostrar uma notificação:

Notificação de publicação

Voltando ao menu de contexto, você pode obter o link para enviar para a pessoa que você quer que acesse o arquivo:

Copiando o link do arquivo publicado no Ubuntu One

Essa função de publicação é especialmente útil para compartilhar arquivos grandes demais para enviar como anexo por e-mail. Eu mesmo já usei até para enviar arquivos para máquinas remotas sem dificuldades.

Agora vamos sair um pouco da parte desktop do One e passar para o cliente para celulares. Vou falar aqui sobre o cliente para Android, que uso em meu smartphone. O Ubuntu One oferece gratuitamente para celulares o serviço de compartilhamento de arquivos. Os planos pagos adicionam o streaming de música no celular (tanto as suas músicas quanto as compradas na Ubuntu One Music Store) e a sincronização de contatos. Esses dois serviços não me chamaram muito a atenção, já que o Android já sincroniza contatos com o Google e, em relação ao streaming, não tenho banda 3G suficiente para isso (e o plano sairia bem mais caro que o cartão de memória de 16Gb que eu comprei).

Apesar das afirmações acima, o serviço de sincronização de arquivos do celular é muito útil. Primeiro, baixe o aplicativo no Android Market (ou use o QrCode abaixo):

QrCode - Ubuntu One para Android

E estamos prontos:

Ubuntu One para Android

O aplicativo é bem interessante. Primeiro, por que ele não sai baixando os arquivos para o celular como o aplicativo desktop. Afinal de contas, banda e espaço de armazenamento são problemas em celulares. O aplicativo apenas sincroniza os nomes dos arquivos. Se você tentar abrir um arquivo, aí sim ele será baixado no celular (na pasta u1 do cartão de memória). Uma opção boa do programa é permitir escolher se o One será sincronizado via 3G e Wifi ou somente via Wifi, evitando que ele acabe com sua franquia do 3G.

Um outro recurso de destaque é o envio de fotos e vídeos. Com ele ativado, cada vez que você bater uma foto ou filmar alguma coisa, o filme ou foto será enviado para uma pasta separada no One (com o nome do telefone. No meu caso, a pasta “Pictures – GT-I5500B” da home, já que tenho um Galaxy 5). Esse envio automático vai respeitar a configuração de uso do 3G e Wifi ou seja, nada de estourar a cota do 3G.

O Ubuntu One amadureceu bastante nesse um ano de vida. O serviço está bem estável agora. Apenas sinto falta da possibilidade de sincronizar apenas um arquivo (e não uma pasta toda), a falta do cliente para outras distro (para Windows existe um cliente em fase beta)  e ainda acho que ele demora um pouco para começar o upload de vez em quando. Como pontos positivos, destaco a integração com o Ubuntu, muito bem feita, e o excelente cliente para smartphones. Se você já usa o Linux da Canonical, vale a pena dar uma olhada no Ubuntu One e seus recursos. Até a próxima!

Google lança sistema operacional

O velho rumor se tornou verdade com o anúncio do Google Chrome OS, um sistema operacional composto de uma distribuição Linux minimalista, do Google Chrome e do Google Gears (post abaixo). A idéia é criar um sistema opensource baseado em aplicações web, usando o Google Gears para permitir que sejam acessadas offline (a necessidade de conexão sempre foi o ponto fraco das aplicações web).

O novo sistema do Google pode ameaçar a concorrência seriamente. Baseado na cloud computing, ele deixa toda a carga de processamento nos servidores da aplicação, o que permite que o sistema do pinguim modificado use pouco processador. Com isso, poderão surgir netbooks com hardware muito mais básico do que hoje, com preços realmente reduzidos (cá entre nós, os mininotes são “mini” em tudo, menos no preço). O processador simples também traria grandes tempos de duração da bateria. Tempos de boot também seriam mínimos, o que pode trazer encrencas para o inchado Windows 7.  Outra vantagem é que a sincronização das aplicações web offline com a nuvem ocorre de modo totalmente automático e fácil. Tente usar o Gears e veja se não funciona bem. Assim como o Android, o Google anunciou um gerenciador de janelas feito do zero, possivelmente visando um desempenho superior.

O grande problema dos SOs atuais é que eles são difíceis de usar. Windows, Mac e Linux não são intuitivos para os leigos. Um SO do Google pode resolver isso? Eu pessoalmente acredito que, com a marca do Google, tudo fica mais fácil. Seria essa a chave para o Linux no desktop? A verdade é que o Windows foi feito em uma época que não existia web, para ser monousuário. O Linux sempre foi pensado para a rede, para múltiplos usuários. Um efeito disso é que o Windows se mostra muito inseguro na web, sujeito a vírus e outras pragas. O fato do Google Chrome OS rodar na nuvem traz uma vantagem, que é não precisar mais de backups, ou você acha que sabe fazer backup melhor que o Google? É esperar para ver.

Google Gears

O Google Gears é uma nova API para aplicativos online criada pelo Google. Ela permite que aplicações web compatíveis sejam usadas offline, incluindo o Gmail e o Google Docs. Vou mostrar um tutorial para utilizar o Gmail e o Docs em modo offline.

– Instale o Gears, que é compatível com Firefox, IE, Safari, Chrome (claro…) e em breve com o Opera Mobile. Ele funciona como um complemento normal do Firefox, então é bem fácil de instalar. Reinicie o navegador.

– Vamos começar pelo Gmail. Acesse seu Gmail normalmente. Agora você deve clicar no botão “Offline”, na parte superior direita da tela. Ele irá perguntar se você deseja que seja criado um atalho na sua área de trabalho. Confirme e aguarde ele baixar as mensagens para leitura offline (ele baixa as mais novas primeiro, então você não precisa esperar ele baixar o seu Gmail inteiro). Pode fazer o mesmo com o Docs, o processo é o mesmo e funciona em diversos sites.

Captura_de_tela

Para usar os aplicativos, basta tentar acessá-los ou clicar no ícones que foram criados. Se você estiver offline, será possível usá-los normalmente. Quando você acessar os serviços e estiver conectado à web, todas as modificações serão sincronizadas. A integração é perfeita e permite que você use tudo sem nem se preocupar com a conexão.

screenshot1